terça-feira, 23 de agosto de 2016

Ninho de Caiuajara

Hoje se sabe que pterossauros possuíam ovos de casca mole que, provavelmente, eram enterrados para incubar. Os filhotes eram altamente precoces, nascendo já com as proporções do corpo (com exceção da cabeça) muito próximas dos adultos e asas plenamente formadas. Isso sugere que eram independentes e que poderiam voar logo após nascer, não sendo cuidados pelos pais.

Por outro lado, foram descobertos juntos vários ossos de indivíduos de diferentes idades do pterossauro Caiuajara dobruskii, sugerindo uma vida em colônia. Então, na cena é ilustrado um adulto ajudando os filhotes a saírem dos ovos, os desenterrando - mas os cuidados parentais devem parar por aí.

A aparência do bebê Caiuajara não é baseada apenas nos indivíduos mais jovens encontrados no "aglomerado" de fósseis da espécie, mas também no Nemicolopterus, que tem boas chances de ser um representante extremamente jovem (quase recém-nascido) do tapejarídeo Sinopterus.

Pintura digital.



segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Ludodactylus

Quando descoberto, Ludodactylus sibbicki mostrou uma combinação de características até então inédita para um pterossauro: uma crista longa, como a do Pteranodon, e dentes. Embora a combinação fosse inédita para um pterossauro real, ela era recorrente em brinquedos dos mesmos. Isto inspirou o nome do animal, "ludus" significando "jogo" ou "brincadeira" em latim, em referência a como os brinquedos "previram" um novo pterossauro ainda a ser descoberto.
Pintura digital.